A psique se projeta buscando a individuação. Na análise através das projeções e identificações ocorrem os mecanismos da transferência e da contratransferência. Afetos e potencial arquetípico se constituem em imagens e símbolos, gestos, palavra que comunica conteúdos da alma individual e coletiva.

 Desde a denominação de falsa conexão na psicanálise freudiana, passando pela talking cure de Ferenczi o conceito de contratransferência tem se transformado. 

 A contribuição de Paula Heimann  em 1950 foi fundamental para que se entendesse a contratransferência como ferramenta essencial do processo analítico. A contratransferência deixa de ser vista apenas como transferência do analista e passa a ser entendida como instrumento de compreensão do cliente. O cliente também opera mudanças na psique do analista através do mecanismo  de identificação projetiva. A contratransferência pode ser produto também da personalidade do paciente.
 O conceito de contratransferência foi pouco discutido por Carl Jung. Mas para Jung a contratransferência é útil para estabelecer um rapport entre analista e cliente  desde que a identificação entre analista e cliente não resulte em um tipo de participação mística ou fusão e contaminação mútua.

Na contemporaneidade o conceito de intersubjetividade tem trazido luz ao entendimento do processo analítico. Em uma relação analítica  a intersubjetividade pode ocorrer em diferentes níveis( da fusão à identificação projetiva, simpatia e empatia). Os níveis de identificação entre analista e cliente acompanham o desenvolvimento da análise e aparecem na s várias formas de contratransferência. O analista poderá responder mais ou menos às demandas do self de seu cliente dependendo da possibilidade de sentir com o outro e ao mesmo tempo diferenciar-se, mantendo a observação. O analista vive suas emoções e empresta o seu sentir ao outro (cliente). 

Na contemporaneidade entre analistas Junguianos e alguns psicanalistas contratransferência passa a ser entendida como qualquer impacto e resposta emocional do analista no setting relacionada ao cliente. Não se refere apenas a pontos cegos do analista  e veicula sua emoção  na análise.

 Jung apontou a relação pessoa/ pessoa na análise como ferramenta e fulcrum da transformação de analista e cliente. Propôs o modelo alquímico de transformação das substâncias para entender a influência entre analista e cliente que ocorre durante todo o processo resultando na transformação de ambos.

Relatos clínicos demonstram que para além de interpretações corretas está a atitude compreensiva do analista como agente de transformação. Analista e cliente devem se beneficiar dos momentos de “telle”, de comunicação inconsciente, desde que esses momentos possam ser transformados em uma nova etapa do processo de transformação, resultado da reverberação de um no outro. Nem tudo que é vivido em análise se traduz em compreensão verbal. Boa parte do trabalho do analista se dá em manter ativo um campo de interações que promova a transformação individuativa.

 Michael Fordham fala do mecanismo de introjeção como essencial à compreensão da contratransferência. Para o autor, a contratransferência sintônica resulta da introjeção por parte do analista de um conteúdo ou parte do self de seu cliente. Essa sintonia pode ajudar na compreensão dos processos psíquicos que ocorrem durante a análise. A introjeção é um mecanismo básico da contratransferência e  para haver uma introjeção é preciso que em algum momento tenha havido uma projeção.

É o processo afetivo que legitima as percepções do analista, segundo Michael Fordham. A contratransferência contém material empático e pode ser sintônica.

Os êxitos e fracassos da análise podem ser analisados à luz da qualidade emocional das intervenções feitas pelo analista. A busca da análise deve ser propiciar um campo favorável à emergência do símbolo e dos significados buscados pelo cliente , processo no qual o analista é apenas um preparador de caminho como definiu Carl G. Jung.

 

rir para não chorar

http://www.conjur.com.br/2014-abr-03/celia-brandaopsicologia-contribuir-estudo-leis-tributarias

 

Morre Gabo.

17/04/2014

Image Gabriel Garcia Marques, Gabo nosotras somos tu viudas y putas tristes !

Gabo we are your widows and your Sad Whores. From 1927 to 2014.

 

http://folha.com/no1435877 (via Folha Cotidiano) Photo: Pesquisa que indica apoio a ataques a mulheres está errada, diz Ipea: 26% concordam com a afirmação. http://folha.com/no1435877 (via Folha Cotidiano)

Violência sexual

02/04/2014

Muitos anos já passados desde o movimento feminista e a Revolução sexual e dados de pesquisa realizada por instituto renomado acusam que 65 % da população acredita que mulheres vestidas de forma ousada merecem ser estupradas. Desses 65% temos 66,5% composto por população feminina.

Pergunto: Alguma pessoa merece ser vítima de violência? Estamos diante de uma crise ética coletiva. O estupro

é um ato de violência. Portanto, ação de um indivíduo supostamente dotado de maior poder sobre outro considerado de menor poder. Mesmo que operado por pessoas com transtorno de personalidade, distúrbio de caráter ou perversos o que não se comprova em grande parte dos ocorrências, não se justifica.

Um psicopata baseia-se apenas no seu desejo de satisfação para agir.

Um perverso age baseado em seus fetiches e muitos agem sadicamente movidos pelo prazer de imprimir mêdo à vítima. Não necessitam de outros estímulos senão o do próprio fetiche.

Afirmar que mulheres devam se vestir de forma mais recatada para evitar violência sexual é permanecer adepto ao argumento que manteve durante séculos o domínio do masculino sobre o feminino.

Uma dos recursos da opressão é a lavagem cerebral  que afroucha o senso-crítico e a memória.

Mulheres, temos que acordar para o fato de que o machismo também é mantido pela população feminina que ainda não restaurou sua auto-estima ferida durante o período civilizatório de lei patriarcal dominante, em que oImagem  feminino permaneceu desvalorizado frente a um mundo masculino idealizado.

 Na Gnt @Saia Justa em 03/04/2014, a socióloga Wânia Pasinato comenta resultado da pesquisa do Ipea. Salienta que a população que se posicionou favorável ao “estupro justificável” tinha grande parte de religiosos, idosos e população de baixa escolaridade mas que isso não alivia o fato do corpo da mulher ainda ser tratado como mercadoria no Brasil.
Like ·  · Promote · 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.034 outros seguidores