O encontro

11/01/2017

Alguns encontros em nossa vida são especialmente transformadores. Alguém apareceu para nos mostrar que havíamos nos esquecido de alguma parte nossa que ficou na sombra. A emergência da criatividade está atrelada ao encontro com algum aspecto inconsciente do qual nos afastamos.

Eu me apaixono por esse aspecto no outro e quando me separo reencontro essa parte em mim mesmo. Esse é o verdadeiro encontro com o si mesmo. Carl Jung chamou a esse encontro de conjunção dos opostos.

Há no homem uma contraparte inconsciente feminina(anima) e na mulher, uma parte inconsciente masculina( animus). O encontro com a propria anima projetada no outro ou com o proprio animus projetado no outro não é por acaso. Esse outro tem algum atrativo com o qual me identifico : o lado artístico, a sensibilidade, a coragem, a força, etc. Nos construímos essencialmente na relação com o outro e alguns encontros na vida tem a missão de nos fazer encontrar com nós mesmos.

Anúncios

[videolog 416621]

Quando uma convivência conjugal termina as borboletas do frisson sentido no estômago do tempo da paixão dão lugar aos sentimentos ambivalentes de alívio de tensão e de luto. A neurociência propõe que o cérebro tende a buscar a situação de equilibrio anterior através da inslação das antigas sensações.

Mas hoje o que temos é um imediatismo na busca de satisfação. Dessa espiral de busca sem limites, expressa também na ânsia de consumo, vemos um movimento ascendente em direção ao mundo e descendente em direção ao sujeito.

Jung descreve o processo de individuação como um movimento em espiral, de progressões e regressões.  Progredir e regredir aqui tem um sentido de compensação energética entre uma vivência e outra. Precisamos de um tempo para evoluir de um estado de consciência para outro. Restabelecer o equilibrio é  apontar para algo novo. Não é voltar ao estado anterior da alma. Porém, regredir é também caminho para progredir. O grande desafio é reencontrar, em outro formato, a experiência de satisfação e a criatividade que diante do luto se arrefeceram.

Trazer de volta as borboletas do desejo , da alegria e da esperança exige um intenso trabalho psíquico.  Não é suficiente encontrar um outro parceiro amoroso.  O caminho do pleno gozo é o caminho de encontro consigo mesmo quando os humores da libido trazem de volta as borboletas.

Vou amanhã para o Congresso Latinoamericano de Psicologia analítica em  Santiago. Apresento dois trabalhos: Uma aula sobre: O abuso de poder e o pacto do silêncio que trata de violência doméstica e uma mesa redonda sobre  A identidade e o poder nas relações amorosas.  Foi gravidez de ano inteiro. Mais do que isso. Os dois temas acompanham minha trajetória como mulher , psicóloga , cidadã. Os dois temas falam de amor, poder, cidadania, violência e identidade. Quando escrevemos estamos parindo dois rebentos: o texto e nós mesmos. Isso é o melhor de tudo. Santiago lá vou eu.

42-22073489

Pucón - Coñaripe (17)Separação : Morte e Criatividade

Hoje as crianças são iniciadas , desde a mais tenra idade , na fisionomia do amor e do nascimento:no entanto, quando não vêem mais o avô e perguntam por que, respondem-lhes,na França, que este viajou para muito longe, e , na Inglaterra , que descansa num lindo jardim onde crescem as madressilvas.Já não são as crianças que nascem de repolhos mas os mortos que desaparecem por entre as flores. Os parentes dos mortos são, então coagidos a fingir indiferença. A sociedade exige deles um autocontrole que corresponde à decência ou à dignidade que impõe aos moribundos. No caso destes, como no do sobrevivente, é importante nada dar a perceber de suas emoções.( Ariés , P História da morte no Ocidente)

‘Nossa opinião sobre a voz interior move-se em dois extremos: ou a vemos como um desvario total ou então como a voz de Deus. A ninguém ocorre que possa haver um meio termo valioso. O “outro’que responde deve ser tão unilateral, por seu lado quanto o eu. Do conflito entre ambos pode surgir verdade e sentido, mas isto só no caso de que o eu esteja disposto a conceder a personalidade que cabe ao outro. Este ultimo tem uma personalidade própria, sem dúvida, tanto quanto as vozes dos doentes mentais ; porém um colóquio verdadeiro só se torna possível quando o eu reconhece a existência do interlocutor.”(Jung G.C.,Arquétipos e Inconsciente coletivo par.237)

Vivemos várias separações durante a vida : da casa dos pais , dos vários objetos de amor, das nossas idealizações e a perspectiva da separação da própria vida pela morte.

A elaboração de uma ausência envolve um processo de rendição egóica. A possibilidade da superação da perda e da separação reivindica, por outro lado, um ego capaz de valores próprios e do reconhecimento do outro.

A proibição ou a negacão do luto diante de uma perda afetiva tem se intensificado frente à necessidade de desempenho social e de domínio em nosso cotidiano.

marriages et divorces

A impossibilidade de viver o luto, a falta de acolhimento social para o sofrimento nos lança em um movimento de negação e na necessidade de desfazer precocemente o sentimento de perda na consciência.

Algumas manifestações ou síndromes psíquicas aparecem como escape à vivência do luto e da separação.

“Como viver com a certeza da morte e da separação?

Para alguns autores o medo da morte está na raiz do medo da mudança.

De outro lado, reconhecemos que recusar a mudança é estar morto agora.

Se a necessidade de desfazer a separação na consciência antecede a elaboração do luto instala-se a melancolia. Viver melancòlicamente é permanecer atado à lembrança de uma antiga presença. A elaboração de uma ausência se faz na inauguração da possibilidade de uma nova presença , na consciência. Reinstala-se, então, o movimento criativo da psique.