A psique se projeta buscando a individuação. Na análise através das projeções e identificações ocorrem os mecanismos da transferência e da contratransferência. Afetos e potencial arquetípico se constituem em imagens e símbolos, gestos, palavra que comunica conteúdos da alma individual e coletiva.

Desde a denominação de falsa conexão na psicanálise freudiana, passando pela talking cure de Ferenczi o conceito de contratransferência tem se transformado.

A contribuição de Paula Heimann  em 1950 foi fundamental para que se entendesse a contratransferência como ferramenta essencial do processo analítico. A contratransferência deixa de ser vista apenas como transferência do analista e passa a ser entendida como instrumento de compreensão do cliente. O cliente também opera mudanças na psique do analista através do mecanismo  de identificação projetiva. A contratransferência pode ser produto também da personalidade do paciente.
O conceito de contratransferência foi pouco discutido por Carl Jung. Mas para Jung a contratransferência é útil para estabelecer um rapport entre analista e cliente  desde que a identificação entre analista e cliente não resulte em um tipo de participação mística ou fusão e contaminação mútua.

Na contemporaneidade o conceito de intersubjetividade tem trazido luz ao entendimento do processo analítico. Em uma relação analítica  a intersubjetividade pode ocorrer em diferentes níveis( da fusão à identificação projetiva, simpatia e empatia). Os níveis de identificação entre analista e cliente acompanham o desenvolvimento da análise e aparecem na s várias formas de contratransferência. O analista poderá responder mais ou menos às demandas do self de seu cliente dependendo da possibilidade de sentir com o outro e ao mesmo tempo diferenciar-se, mantendo a observação. O analista vive suas emoções e empresta o seu sentir ao outro (cliente).

Na contemporaneidade entre analistas Junguianos e alguns psicanalistas contratransferência passa a ser entendida como qualquer impacto e resposta emocional do analista no setting relacionada ao cliente. Não se refere apenas a pontos cegos do analista  e veicula sua emoção  na análise.

Jung apontou a relação pessoa/ pessoa na análise como ferramenta e fulcrum da transformação de analista e cliente. Propôs o modelo alquímico de transformação das substâncias para entender a influência entre analista e cliente que ocorre durante todo o processo resultando na transformação de ambos.

Relatos clínicos demonstram que para além de interpretações corretas está a atitude compreensiva do analista como agente de transformação. Analista e cliente devem se beneficiar dos momentos de “telle”, de comunicação inconsciente, desde que esses momentos possam ser transformados em uma nova etapa do processo de transformação, resultado da reverberação de um no outro. Nem tudo que é vivido em análise se traduz em compreensão verbal. Boa parte do trabalho do analista se dá em manter ativo um campo de interações que promova a transformação individuativa.

Michael Fordham fala do mecanismo de introjeção como essencial à compreensão da contratransferência. Para o autor, a contratransferência sintônica resulta da introjeção por parte do analista de um conteúdo ou parte do self de seu cliente. Essa sintonia pode ajudar na compreensão dos processos psíquicos que ocorrem durante a análise. A introjeção é um mecanismo básico da contratransferência e  para haver uma introjeção é preciso que em algum momento tenha havido uma projeção.

É o processo afetivo que legitima as percepções do analista, segundo Michael Fordham. A contratransferência contém material empático e pode ser sintônica.

Os êxitos e fracassos da análise podem ser analisados à luz da qualidade emocional das intervenções feitas pelo analista. A busca da análise deve ser propiciar um campo favorável à emergência do símbolo e dos significados buscados pelo cliente , processo no qual o analista é apenas um preparador de caminho como definiu Carl G. Jung.

“O símbolo não é uma alegoria nem um Semeion ( sinal) mas a imagem de um conteúdo em sua maior parte transcedental ao consciente. É necessário descobrir que tais conteúdos são reais, são agentes com os quais um entendimento não só é possível mas necessário. Com este descobrimento compreender-se-á  então do que trata o dogma, o que êle formula e a razão de sua origem.” ( Jung Carl G -Símbolos da transformação- par. 114)

A noção de símbolo aparece na Psicologia Analítica  de Jung atrelada a um outro conceito- o de função transcendente que designa a   capacidade da mente de simbolizar não só em termos de seu conteúdo mas de sua função. Cria transições de uma atitude para outra , de um estado existente da experiência para outro ou de um estágio de desenvolvimento para outro.  O analista nessa perspectiva tem a função de mediador , ou seja, de continente de sentimentos e emoções que o ego do paciente não consegue reintegrar.  A capacidade de experenciar simultaneamente o eu e o não eu define a matriz do pensamento reflexivo. A função simbólica envolve a experiência da representação devido a experiência do “como se” ao invés da identificação e  do reconhecimento das semelhanças em objetos que são ao mesmo tempo vistos como existências separadas.

A capacidade de simbolizar pode ser desarticulada e impedida se certas condições de desenvolvimento não estiverem presentes.

O jogo simbólico é o predecessor  do trabalho criativo.

O jogo define a área da experiência onde a experiência sensorial encontra a atividade imaginativa – o jogo com atividades emocionais.  Nessa área se constrói o espaço da análise.

A necessidade de dar  ordem e sentido às vivências emocionais encontra expressão na criação e descoberta de formas de relacionamento entre analista e cliente. O processo analítico une processos cognitivos e emoção. A técnica é construída a cada momento e com cada paciente. Nesse sentido psicoterapia é também arte. É um espaço ritual importante para a integração de sentimentos e de aspectos da personalidade.

Como em um rito se caracteriza também pela repetição da cena principal, a sessão de análise. Nesse sentido, toda sessão de análise é um ritual simbólico. A criatividade está no “como se” da atividade imaginativa que a cada experiência transforma os sujeitos, analista e cliente.

Os ritos de iniciação costumam conectar o simbolismo de morte e renascimento.  Nesses rituais em que o neófito fica recluso,  simula-se seu incineramento em lugar fechado, como uma cova, e, posteriormente, este reaparece como que vomitado da boca de um monstro. Deve sofrer, morrer e ressuscitar. De forma análoga , esse processo ocorre quando nos propomos a um mergulho no desconhecido de nós mesmos.

A análise e a psicoterapia se afastam do alvo do ajustamento.  Apesar disso, não podemos enganar o processo criativo aceitando a desorientação como inevitável precursora da inspiração.  Nesse domínio de realidade, imagens e temas arquetípicos são deintegrados  da matrix indiferenciada do self. Não foram ainda re – integradas no ego e criam estados de desintegração  até que sejam assimiladas.

O criativo em psicologia não age exclusivamente dentro dos limites de uma pessoa, dos processos simbólicos e vivências de uma individuação particular. A criatividade psicológica toma o próprio indivíduo e a comunidade como obra a ser realizada. Desse fato  o papel criativo e a responsabilidade social de um analista.

 

 

Mariana blog

Foto de Mariana Brandão

Durante sua formação o analista realiza incursões profundas em seus afetos e se deixa afetar, influir pelo outro. Podemos entender esse outro como uma abstração, como parte da configuração psíquica de todo indivíduo, ou então, como o outro “de fato”, aquele que existe além de mim.

Cabe ao terapeuta a partir de suas experiências anímicas buscar a compreensão do outro. O que nos desafia é sempre a outra alma humana. As limitações estabelecidas pelo outro são sentidas em qualquer relacionamento ora como a gratificação e redenção ora como a tragédia da própria relação.

A forma de compreensão que temos de nossas vivências emocionais pode conduzir nossos desenvolvimentos para caminhos mais ou menos saudáveis.

É esse o papel do terapeuta e do analista: caminhar junto com seus pacientes como mediador da busca de uma melhor qualidade de comunicação com seu inconsciente e símbolos.

A esse caminho de auto-construção que se dá a partir da relação dialética entre consciência e inconsciente Jung chamou de processo de individuação.

Bem, mas trocando em miúdos, o que é análise mesmo ? Só passando por ela.