caduceu-em-seloPsicologia e humor 50: A mediação de conflitos envolve empatia crítica. No curso que dou no Sedes Sapientiae sobre mediação e violência, parte do curso da Silvana Parisi “Dimensão Amorosa: Um enfoque Junguiano”, enfatizo a empatia, não como relativismo moral e nem o moralismo fácil, termos de Jonathan Jansen, reitor da Universidade de Free State, South Africa. Empatia é aproximar-se do outro sem pré- julgamentos e compreender que sob determinadas circunstâncias todos podemos ser injustos e sermos capazes de violência. Empatia é também reconhecer-se no outro. Nesse sentido somos todos vulneráveis. Rejeitamos o outro para nos defendermos mas a ameaça está em nós mesmos. Os passos são: integração, reparação e reconciliação. Só dessa forma podemos falar em relações amorosas. Celia Brandão.

Relações amorosas

23/08/2010

Há quem diga que a última coisa que gostaria de viver é um relacionamento com colega de trabalho. Ouvi depoimento de que as pessoas estão se evitando no ambiente de trabalho, ao contrário de se aconchegando.  É interessante esse testemunho e de outro lado, as queixas de assédio que tem sido veiculadas na mídia. Será que não ocorrem as duas coisas ? De um lado as pessoas estão realmente se evitando , no sentido da intimidade e de outro proliferam as ” relações express ” ou “delivery”como já ouvi falar. O prático toma o lugar do mais elaborado, que requer investimento e dedicação.  E como bem formulou Reich, as relações não satisfatórios derivam em uma “estase libidinal” que vai manter o indivíduo em contínuas tentativas pouco elaboradas ou no fechamento defensivo do evitamento.

Hay gente que dice que lo último que le gustaría vivir es una relación con un colega de trabajo.  El otro día oí que la gente se está rehuyendo en el ambiente de trabajo, en lugar de cobijarse. Resulta interesante ese testimonio de un lado y de otro las quejas de acoso sexual  que han sido difundidas en los medios de comunicación. No  ocurrirán los dos ? De un lado la gente de hecho está evitándose , respecto a la intimidad y de otro proliferan las ” relaciones express ” o “delivery” expressiones comunmente repetidas. Lo práctico sustituye  lo elaborado, que requiere inversión y dedicación.  Y como bien  planteó Reich, las relaciones no satisfactorias resultan en una “estasis libidinal” que va a  mantener al individuo en continuas tentativas poco elaboradas o en una clausura defensiva.