Gigante%2B2

El caso Anabella

El alboroto crece delante de la comisaría. El crimen sucedió hace dos semanas, la pequeña Anabella, 6 anos, fue tirada desde la sexta planta del edificio Villa London, en el barrio de Vila Mazei, Zona Norte de la ciudad de São Paulo.

Detrás de la reportera personas se amontonan mirando hacia la cámara. Janaina Silva, ama de casa, casada, 27 años madre de 4 hijos, habla al micrófono, se desespera sobre el micrófono: “Quería agarrarlo, tirarlo al suelo, tirarlo y escupirle la cara, pisarle el cuello, pisarle y romperle el cuello, de Nicollau Serdovvi”, 9, 7, 5, 4, son las edades de los hijos de Janaina Silva. Ella los dejó con la suegra porque no podía estar en casa dado lo que estaba sucediendo, tenía que ver de cerca la cara de los asesinos. Delante de la comisaría lo que se puede ver son cables, micrófonos, helicópteros, Janaina Silva, gentes, periodistas que están allí para documentar la llegada y la salida de la presunta pareja y el alboroto que ellos reproducen.

El ruido de helicópteros de las redes de televisión impiden las entrevistas, el sonido de las frases se pierde aun así todos comprenden lo que no escuchan, palabras distintas para el mismo sentimiento de ira y asombro, ira y asombro, ira y asombro, asombro que perdura días y semanas.

Ahora el ruido de los helicópteros y de las sirenas, de los coches de policía queda solo en el aire. De regreso al estudio, el presentador Vicente Vantoni, 42, casado, 4 hijos, mira con gravedad hacia la cámara, fue el sonido de la niña cayéndose al suelo todavía viva dijo el celador, el Sr. Nestor Carnero, casado, 4 hijos y 5 nietos.

Él oyó el ruido alto y seco, lo apuntó en el libro de registros del edificio. Tras la palabra “seco”, Nestor apuntó: la niña estaba viva. La frase, la niña estaba viva es destacada en el primer plano de la pantalla del televisor, destacándose de lo restante del libro de registros de Villa London. Era la medianoche, dice el presentador Vicente Vantoni sobre la imagen de la hoja de papel con la mala letra del celador del Villa London, los algarismos que indica él, aparecen ilegibles.

El noticiero sigue con asuntos. Después vuelve a la comisaría, la pareja Serdovvi aparece en medio al alboroto. La madrastra, Ana Bett Menezes de Carvalho, 24, 2 hijos pequeños, uno bebé todavía y la hijastra que murió hace pocos días, y el padre de la niña muerta, el joven abogado caminan hacia el coche rodeados de policías. La gente los comprime, la pareja casi desaparece en medio de la gente. […]

Él y Ella, el padre y la madrastra de la niña tirada desde la sexta planta, 6 años, su cumpleaños sería a los pocos días, los dos dejan la comisaría y caminan.

En medio de la muchedumbre, encorvados hacia la puerta del coche ya abierta, listos para meterse en los asientos del coche. […]

La pareja Serdovvi y el joven abogado entran en el coche. El coche de la pareja parte con los tres dentro, Anna Beth Menezes de Carvalho, Niccolau Serddovi y el joven abogado Marcelo Jordano, 26, casado, una hija de 6 anos de una relación anterior y la esposa actual embarazada de 10 semanas. Arrojan un ladrillo hacia el coche. El sonido de la gente ocupa el espacio de la voz de Maria Mara.

 

 

 

Charge de Iuri Bossonarocogumelos%2B3

 

Ella vuelve: un ladrillo casi alcanza el coche de los Serddovi. El coche de la pareja se aleja. La imagen se mueve. La cámara roda y se para en un policía prendiendo a uno de los populares. El policía le sujeta las manos por detrás y abre camino en medio de la muchedumbre que los mira curiosa. El popular sujetado por el policía mantiene la expresión indignada, dice Maria Mara de Moraes. El policía afirma que la sangre del asiento de atrás del coche de Nicollau Serddovi, el padre de Annabella, 6 años, asesinada en la noche del día 6, un Ford K gris-plata analizado con equipos especiales, es de Anabella Serdovvi, 6. La sangre en el suelo del garaje, dentro del coche, en el piso y en el pañal, el pañal que ellos utilizaron para limpiarle el rostro a Annabella a fin de ocultar el crimen, la sangre es de la chica de 6 años tirada desde la ventana de la sexta planta del Villa London, Annabela Serdovvi, hija del primer casamiento de Nicollau Serdovvi con Anna Beth Parentte.

La escena sale del estudio y va al Edificio Villa London que se ve como segundo plano del reportero Paulo Perneira Pontigo, 29, soltero, un hijo de 12 años de una relación de juventud. El domingo habrá la reconstitución del crimen. Nicollau y Ana Bete no son obligados a participar. El padre y la madrastra de Anabella, muerta el último día 6, no deberían participar, según informó el abogado del padre de Annabella, que se cayó de la sexta planta del Villa London, el Sr Marcelo Jordano, 26, eso porque, según la legislación brasileña, nadie puede ser obligado a producir pruebas contra sí mismo. Expertos afirmaron que el aplazamiento de la divulgación de los laudos es una estrategia adoptada por la policía para que las declaraciones no sean influenciadas por el resultado de los exámenes realizados por los peritos de la policía civil de São Paulo.

En otra parte de la ciudad, un hombre le dice a otro: no hace ni un mes, la madre de Anabella, asesinada bárbaramente a los seis años de edad, Ana Beth, no la madrastra, que es Carvalho, sino la madre, pariente, ni un mes, y Ana Betty pariente ya desistió del caso, abandonó a la hija, ya no da entrevistas, dejó al destino la resolución del caso.

Y el padre Nicolau Serdovi, era un mal padre. Fíjate, él no corrió desesperado para abrazar a la hija tras su caída […]

Y Nicollau Serdovvi no corrió desesperado para abrazarla. Él llamó antes al padre,

Menelau que es abogado criminalista.

¿Lo entiendes? Él sabía que la hija se había caído desde la sexta planta, eso él no lo niega, afirma que entró en el piso, con los dos hijos del segundo casamiento, vio que la red de protección de la ventana estaba rota y comprendió que habían tirado a la hija por la ventana de su piso. No es una hipótesis de investigación.

Él dijo que vio la red de protección rota, se acercó y vio a la hija caída en el jardín seis plantas abajo.

¿Qué hizo él? ¿Corrió? ¿Lloró? No, él llamó al padre, un abogado criminalista. No la querían. Podemos decir que la rechazaban. Mira, en Inglaterra los científicos hicieron una investigación para descubrir cuál es el mayor dolor que un ser humano puede soportar, entre todos los dolores, los científicos británicos concluyeron que es la pérdida de un hijo de menos de 16 años, principalmente para las mujeres. Y la madre de Annabella ya abandonó el caso ya no habla con la prensa, no aparece, no dice nada, abandonó a la hija. Y si nos acordamos que en seguida de la muerte de 6 años, en el entierro, en la misa de séptimo día, el día en que la niña cumpliría años, incluso en esos momentos Ana Bete apareció calma, frívola, sin parecer destrozada. No se le veía sufrir. Podemos entonces creer que no quería a Annabella.

El padre no bajó desesperado para abrazar a la hija y ¿por qué? Porque él no se quedó desesperado. La verdad es que siempre quiso más a los hijos del segundo matrimonio.

Anna Bete dio la luz a Annabella muy joven, no estaba preparada, no fue capaz de querer a la hija. La verdad es que ella no es suficientemente buena como madre. Amor materno. Annabella fue una niña rechazada, ahora ella solo tiene a nosotros para defenderla, por eso no podemos abandonarla.

La ciudad arde. En el aire un olor dulce inspirado y expirado por los pulmones y chillando a los oídos de los que se interesan o no por el asesinato de Annabela. La gente transforma la familia Serdovvi en viejos conocidos. En la sala ellos analizan esta proximidad forzada. Lo que aumenta lo dramático del caso, transforma la tragedia real en farsa. No se oye la palabra defenestrar, que significa exactamente tirar por la ventana. Quizás porque sea una palabra fuera del cotidiano de los que acompañan el caso.

Tirada o arrojada por la ventana, sí son verbos que forman parte de la vida de la ciudad y por tanto comportan, la violencia del destino de la niña.

Las personas en la sala saben que de nada sirve decir: “Yo no me intereso por este tema” pues todos están convocados a participar de la pesquisa, acerca de los testes, de los testimonios, de los análisis de los expertos. Dado que el asunto es inevitable, los que participan solo por educación y dicen:”Quizás no hayan sido ellos, hay que esperar, la prisión es solo para quien ha sido pillado o que pueda estorbar el seguimiento de la pesquisa, el hecho de que la policía llegue a una conclusión y ofrezca la denuncia no significa que ellos ya hayan sido juzgados como culpables”, los que lo dicen son obligados a oír aún más acerca del tema y no solamente oír. Tienen que retroceder, afirmar. Nada de quizás, tal vez, es un lado u otro […]

En la sala ellos ponderan acerca de la histeria que asola la ciudad, la necesidad de la gente en salir de casa, ir hasta la comisaría delante del edificio donde se dio el crimen, parece que solo de esta manera la gente se siente parte de una historia real, que existe porque se ve en la pantalla, como si la vida solo se constituyera en la historia cuando televisionada y escrita.

Una persona comenta la casualidad del hecho de que varios nombres de este caso tengan letras dobladas, como Annabella, Nicollau, Villa London, no que eso signifique algo o pueda ayudar a desvendar el crimen, ella añade. Otro se acuerda que significa el origen social de las personas involucradas. Además de las letras, el dice, se repiten en la tele y en las conversaciones, informaciones tales como: “La sangre en el coche es de Anabella.”

‘Las huellas en el colchón son de la sandalia del padre que apoyo los pies para subir y tirar a la hija por la ventana, “ Y de esa manera transforma suposiciones en hechos in- contestables.

La interpretación del hombre que tiene el bigote mojado, “la madre no es de veras una buena madre” llega a ser cómica. Su frase, el no bajó desesperado para abrazar a la hija. Lo repite diversas veces en la sala con acento y ritmo que refuerzan el pedantismo del hombre.

La repetición de la frase y el tono de farsa vacían definitivamente de toda verdad, no de su contenido, pues ése no es el enfoque de la charla, sino la verdad de la locución, de la intención del señor gordo. Se habla del sentimiento de autoridad de las personas más sencillas y de las personas pacíficas que se vuelven en sanguinarias en la tragedia ajena.

Se repite también la frase “agarrarlo, tirarlo al suelo y escupirle la cara, pisarle el cuello.

”Que se analiza en su teor de insanidad. No se comenta la ausencia del pronombre oblicuo.”

Aunque la sintaxis de las oraciones les hiere los oídos de los que hablan y las expresiones “agarrarlo” y “ tirarlo” se repite otras veces.

La ciudad se vuelve vampiresca, compulsiva. El análisis de la repercusión del caso llega hasta el postre, cuando alguien, 72, casada, cuatro hijos, ocho nietos, dice, la verdad es que el llevaba una de esas sandalias tipo chancla y la huella en la sábana era suya de verdad. Y eso de no haber bajado en seguida es muy fuerte y otro, 17, soltero, pregunta pero eso ya se ha comprobado? Si ellos tienen como rastrear y saber el horario de la llamada, el horario en que su coche entró en el garaje, en que el bajó por ascensor tras la caída de la hija, el número del teléfono al que llamó, de hecho el llamó al padre antes debajar. La hipótesis más posible hasta ahora es que quien la sofocó fue la madrastra, y el padre creyendo que la hija ya estaba muerta, la tiró por la ventana.

Y un tercero, padre de dos hijos pequeños, concluye: un surto, un momento de insanidad, Cualquiera podría. Un padre. Cualquiera. Es empavorecedor.

Moustache_de_l__eternite_by_jubisg

Desenho de Juliana Gushi

Comento:

 

 Parece absurdo, terrivel, terrivel de acreditar. O que assusta no ato violento é que atenta contra a vida. O agressor ao agir parece estar fazendo em sua auto-defesa. Devemos entender que o ser humano em sua auto defesa pode agir e fazer uso de intenções extremamente cruéis.

A população vive em catarse coletiva o  desejo de redenção de suas angústias. Perde-se o sentido trágico dos fatos para uma exacerbação dos elementos dramáticos das narrativas.

São absolutamente volúveis e irresponsáveis os julgamentos. Nesses momentos todos se absolvem e todos podem ser juízes da tragédia alheia.

A única forma de prevenção da violência doméstica é o tratamento do agressor e da familia entendida como um sistema de relações que adoeceu. 

“Como si la vida se constituyera en la historia cuando televisionada y escrita. La alienación en relación a la propria vida. Se hace cada vez más fácil vivir la rabia y liberar la agresividad a través de la historia del otro en la cual me proyecto. A través de un juego de proyecciones y identificaciones la tragedia pierde su sentido trágico y se viste de un carácter dramático y cotidiano.”  Celia Brandão.

30 anos de Anistia

15/08/2009

Cara pintada

Foto pintada por Marco Angeli

No ano de aniversário de 30 anos da publicação da Lei de Anistia, decretada em 28 de agosto de 1979, pelo então presidente João Batista Figueiredo, que deu, de acordo com a Organização das Nações Unidas, na página do Ministério da Justiça, “perdão” a todos os crimes considerados políticos cometidos durante o regime militar brasileiro, estudantes  furaram bloqueio no Senado em Brasilia para protestar contra Sarney na entrada do Plenário e alguns são presos. Foram detidos para averiguação de uso  indevido de crachás da casa. Isso me faz lembrar os motivos de prisão de 68.

O dono do crachá é o dono do cartório que é o dono do tabelião que é sobrinho do sr prefeito que é sogro do governador….com quem reclamar?

 

 42-19662883

This report is about a volunteer work, a partnership between Family guidance Institute in Brazil, Sao Paulo, Ceaf , and a Pediatric clinic in a deprived children community in Sao Paulo.

A survey done at middle class and low middle class schools in Sao Paulo confirms that we are living in a time of transition of the images of father and mother in the family

The adolescents attribute the authority equally to father and mother.

The adolescents identify mother as protection, support and affective reference. Only a few see her as financial provider and those are among the group of less acquisitive power.

The mother figure is identified as family reference.

To give physical and emotional support and to educate seems to be a mother function among the classes with a lower socio-economic level. Some adolescents replied that …  “The child is brought up very well without a father”.

As we know the absence of a father figure is common in the case reports of juvenile delinquency. A lack of a model of reference also is missing in the case reports of problems in learning and school adaptation, in elementary education.

The case reports about the family of homeless children and adolescents show a complete absence of a father figure in the description of their roles and in their imagery. It seems that is in this question(What should be his function), that the families with lower socio-economic level show a higher emptiness.”

The mother is identified with the whole image of family, of protecting physically and emotionally and educating, so this points to a model of single parenting and motherliness of family. 

A more complex issue is that when we think about the perspective of working with this impoverished family. We are faced with a certain degree of institutional prepotency because these families are considered not workable with and the professional role would be the referral of these children and adolescents to educational and assistance institutions.

Our practice in our work with these homeless children, with victims of abuse and with pregnancy in adolescence show that the child doesn’t necessarily reproduces and not even in a direct way the forms of behaving of his family.

The adults trace some forms of behaving and possible representations but the child mold his way of behaving based on the interdependent relationships and reacts individually and creatively.

In according to Mara Sidoli,” we share a certain ontological collectivity but each individual has his on way to respond to his experience. ” 

This reality shows the necessity of actions in the direction of these children and adolescents imaginary as a way of reaching their social inclusion.

 42-21886282

Reflections about pregnancy during adolescence

 

There have been, in all social classes a great increase of the index of pregnancy during adolescence.

Research of Dr Albertina Duarte, gynecologist  shows that 87 % of the cases had information about the use of contraceptives.

To have the information and to incorporate it as a way of life means a long run.

There are various hypotheses about the factors the cause pregnancy during adolescence:

1- outburst of sexuality

2- aderence to the group values related with liberty and sexuality.

3-  imediaticity of adolescent behavior.

4– adolescent’s feeling of omnipotence.

5- sexual initiation turned to be more precocious since sexual liberation of the 60’s.

6- the erotism vehiculated through media without orientation proposes a practice without responsibility.

7- antecipation of the girl’s maturation due to better conditions of life and nutrition in the last decades. Menarca and puberty occur earlier and one or two years latter girls reach full fertility.

The follow up of pregnant adolescents made possible a reflection about these families reality and about the environment in which these adolescents live. It shows a particular ecology, in which the family of the adolescent-mother has the role of formation of the new members.

There is an increase of the number of grandmothers that raise and take care of their grandchildren. The figure of the grandfather is almost inexpressive in the reports.

The children of the first pregnancy are given to the grandmother care when the adolescent has no stable partner or has a new relationship. This is also a way of keeping with the morality in the absence of a stable partner or of maintaining the presence of a presumed provider.

Almost there is no clarity about the role of the stable partner, besides the role of sexual partner and no affective reference.

She is precociously invited to discriminate her behavior in the mother role while she has a discourse of a daughter that almost all the time lacked the assistance of her necessities from the mother, father and substitutive figures.

The experience of being neglect and the maternal abandonment evokes and foster grandiose fantasies and infantile omnipotence as defenses of helplessness and dread. This kind of experiences also damages the development of symbolic thinking. We try to work through these damages and disturbs of attachment.

Gravidez na adolescência  Relato enviado por uma leitora após leitura do meu Post sobre gravidez na adolescência.

“Não pense que só vai contecer com os outros, acontece sim com você também aos 14 anos de idade iniciei um namoro com um rapaz que morava na mesma rua da minha casa aos 15 anos eu tinha uma vida sexual, sem nenhum tipo de prevenção a não ser a famosa saidinha, onde o a ejaculação é feita fora da vagina,pois bem mantive essa mesma situação até que aos 18 anos minha menstruação falhou, mas como não era regulada achei normal no 2 mês, kd ela,e eu ali vivendo sem saber uma gravidez inão desejada . Quando estava para completar 3 meses fui interrogada pela minha mãe, fato esse que jamais vou esquecer, ela não me perguntou ela afirmou : _você esta

gravida né…. pensam vocês que me senti ofendida ? Fui fazer o exame só parac ontesta-la,  para dizer que ela estava errada.  As mães erram também, e eu estava cometendo o meu primeiro erro:  subestimar o presentimento de mãe, fiz o exame pela manhã e a tarde busquei o resultado,beta Hcg ,esse era o exame e quando abri dei de cara com uma cegonha carregando em seu bico um saco (embrulho)com a seguinte frase positivo…quase morri aquele exame só podia estar errado afinal eu nãosenti nada enjôos, tontura, fome, nada absolutamente nada, e outra , sempre transei desse jeito e nada nunca aconteceu, minha amiga que me acompanhava disse ( J ) enfrente a situação você esta gravida, Fui para um outro mundo e voltei na ocasião meu namoro não estava bem, foi a pior fase para se engravidar contei a ele que ficou pior que eu,meu pai ficou doente acreditam mal olhava em meusolhos, me separei  do pai do meu filho conversei com minha mãe e disse a ela quenão poderia viver uma situação onde eu acreditava ser obrigada a estar ali,eu e ele não existia mas… no dia 7 de outubro meu filho nasceu foi um dia muito confuso para mim, uma morte um nascimento parte de minha vida acabaria ali e uma outra estava diante dos meus olhos em meus braços passei por diversas situações até me encontrar sentia o olhar de reprova da minha mãe, ela se colocava em minha frente dava os remedios,banhos, trocava aquilo me encomodava alias era meu filho… brigamos muito olha a meia dele tá suja,o babador tá molhado,ta frio pra essa roupa,ta calor pra essa roupa,

que  ódio aquilo me dava mas o tempo passou e eu aprendi muito meu pai hoje é apaixonado pelo meu filho, ama de verdade minha mãe então nem se fala, o pai dele é presente em sua vida muito até demais,e eu onsegui meu espaço trabalho e namoro a 3 anos, penso nele em tudo que faço, hoje meu bebe tem 8 anos vai a escola, Faz futebol,saudavel e lindomesmo e com a vitória deixei de vivenciar muitas coisas por ele, como umafaculdade viagens com amigas no final do ano, muita coisa minha hoje é dele, o amo de paixão mais meninas nem todas as histórias acabam assim se não fosse o apoio incondicional da minha mãe, eu talvez não teria vencido, doenças

abortos, abandono. Tudo pode acontecer tanto com as crianças como comvocês, previnam-se, se amem, há  diversas formas de  se viver a vida, as noites em claro numa balada São bem diferentes de uma noite em claro com um bebe,e lembre-se as coisas também acontecem com você. ( guardamos o sigilo da remetente)<br /><br />42-15819135DZ005038

Gravidez na adolescência e a transformação dos papéis na familia

( Esse  artigo foi anteriormente publicado no livro Um olhar sobre a familia – Trajetória e desafios de uma Ong –Ceaf – Editora Ágora – 2003 .  Post editado a partir do artigo.

Um levantamento feito em escolas de classe média e média baixa em São Paulo confirma que estamos vivendo um momento de transição nos papéis atribuídos ao pai e à mãe dentro da família: a autoridade é outorgada igualmente ao pai e à mãe pelo adolescente.

Ele identifica a mãe como proteção, apoio e referência afetiva; uma minoria – o grupo de menor poder aquisitivo – a vê também como provedora financeira. Os relatórios sobre famílias de crianças e adolescentes em situação de rua denunciam a ausência da figura paterna no seu imaginário: a mãe acumula as funções de proteger física e emocionalmente e de educar.

Há dados que indicam um enfraquecimento da figura paterna na família, e sabemos que essa ausência acompanha os relatórios dos casos de delinqüência juvenil. A falta de um modelo de referência na educação secundária está presente também nos relatórios sobre problemas de rendimento e adaptação escolar. Tudo isso aponta para um modelo monoparental e matrifocal de família.

Por outro lado, sabe-se que o nível de fecundidade da adolescente entre 15 e 19 anos tem crescido muito, havendo também um incremento da fecundidade na faixa de 10 a 14 anos.

Parece que, no desejo de aconchego e apoio, a adolescente procura constituir um novo núcleo familiar em busca de suporte emocional, dado o desamparo vivenciado em sua familia de origem. Há uma tendência de se entender a gravidez na adolescência como um ato de trangressão.

42-15535194A partir de trabalho com adolescentes grávidas levanto a hipótese de tratar-se  de uma tentativa  de reparação.

A trangressão é uma forma de confronto com o status quo. Mas o que observo na maior parte da população feminina  jovem é uma tentativa de entendimento da realidade em que vivem.  Tudo indica que um mergulho nas feridas experimentadas na condição de filhas está a serviço desse intento.

Dado o aumento do número de adolescentes gestantes, uma parceria entre o Ceaf e o Programa Einstein na Comunidade na favela de Paraisópolis foi criada em 1999, com o objetivo de realizar um trabalho preventivo: o atendimento psicológico à gestante adolescente. Depois de submetidas à triagem, as gestantes participavam de um grupo específico, com um foco diferenciado no atendimento psicológico.

42-18810424 Esse trabalho possibilitou uma reflexão sobre a realidade das famílias de baixa renda e do meio em que vivem. Pudemos também pesquisar parte do imaginário das adolescentes sobre o lugar do pai e da mãe na família, sobre suas expectativas em relação ao companheiro, sobre a reversibilidade das polaridades mãe / filho, pai / filho, mãe / pai.

42-20917507

Pesquisando o imaginário da adolescente, constatamos que se vê precocemente solicitada a uma conduta adaptada ao papel de mãe, ao mesmo tempo em que apresenta um discurso de filha que se viu na maior parte das vezes privada do atendimento a suas necessidades por parte do pai, da mãe ou de figuras substitutivas.

O desafio apresentado foi o da criação de novos espaços na vida da adolescente-mãe, para que lidasse com os lutos e as perdas decorrentes da maternidade precoce, trabalhasse com as idealizações de um lado e desesperança de outro, e viabilizasse projetos de vida.

Há ainda o preconceito de que as famílias geradoras de abandono e de desvio de conduta não responderiam bem a um trabalho psicológico e que, portanto, o trabalho do psicólogo se restringiria ao encaminhamento dessas famílias para instituições assistenciais ou a um trabalho sócio-educativo.

42-17799799

Porém, nossa prática com a adolescência vitimizada nos mostra que o adolescente tem sua forma de reagir de acordo com a potencialidade do seu self e não necessariamente reproduz as formas de agir de sua família. O grupo familiar e educadores traçam caminhos possíveis, espaços de ação e possibilidades de representações, mas a adolescente apresenta uma reação criativa que traz marcas de sua individualidade.

Compartilhamos uma certa coletividade ontológica, mas cada indivíduo é único e não apenas interpreta, como também responde de modo criativo à sua experiência. Essa realidade aponta para a necessidade de ação junto ao mundo interno desses adolescentes e de suas famílias como forma de garantir sua inclusão social e saúde mental. 42-17799789

Por que cresce o número de adolescentes grávidas?

A adolescência é uma fase de profundas transformações físicas, psicológicas e sociais. Conceitualmente, entende-se como segunda década da vida (de 10 a 20 anos),  fase de intensas transformações bio-psíquicas e consequentemente na integração do sujeito no ambiente social e na familia.

Alguns fatores comportamentais podem ser macantes nesse período:

1-   Maior adesão aos valores grupais relacionados à liberdade e à sexualidade.

2-    Imediatismo ( menor tolerância à espera no atendimento de suas necessidades ou fantasias).

3-    Onipotência e sentimento de indestrutibilidade.

4-    A liberação sexual dos anos sessenta  que determinou uma iniciação sexual precoce que atinge a atual geração.

5-  O material erótico veiculado de forma indiscriminada  pela mídia favorece uma prática isenta de responsabilidade .

6-    A menarca que, conforme pesquisas, incide em época precoce em razão de melhorias nas condições de vida e de alimentação nas últimas décadas.

A reação das familias à gravidez precoce oscila da agressão à apatia permissiva, até a conduta de superproteção, que priva a adolescente da responsabilidade e do acolhimento necessários para lidar com tal impasse. Nesse contexto, constatamos que o trabalho psicossocial é de suma importância para a mediação de conflitos, tornando possível o relacionamento entre a adolescente e sua familia, base da estruturação da identidade e dos papéis na familia e na sociedade.anexo comentário de leitora do blog guardando-se sigilo de sua identidade.

42-21572250 

Foi com muito pesar que li uma matéria publicada no Jornal Le Monde sobre o assassinato da menina Isabella, de 2008, atribuindo a violência doméstica no Brasil ao fato da tardia Abolição da Escravatura (1808) e aos modelos “adquiridos”de educação. Como se esse modelos de discriminição e desigualdade social tivessem sido gerados aqui no Brasil, quase como uma geração espontânea, como algo atávico, como nossa identidade. As crianças e as mulheres, assim como os negros e os países do terceiro mundo são há alguns séculos o que conhecemos como excluidos no que se refere à sua situação como  sujeitos de direitos e  Estado de direitos respectivamente.

O fato de se saber que no Brasil o genocídio assume índices preocupantes com autores dentro das familias e não só pela policia, nos faz responsáveis socialmente e como profissionais da área de psicologia para pensar essa questão.

Mas passa a ser uma arrogância da Velha Europa esse comentário no Le monde que nas semanas próximas ao crime de Isabella circulou pelo mundo noticia de uma outra familia de classe média austríaca em que o pai manteve em cativeiro a filha que também tomou como concubina e mãe de seus netos também cativos.

Enquanto continuarmos projetando nossa sombra no outro, enquanto temermos nossa humanidade, creio que será muito dificil lidar com a questão da violência que não escolhe raça, país, classe social, e que nos assola.

Pensamos de maneira equivocada sobre a violência como um epifenômeno do poder.

É quando o poder legítimo perdeu a sua força, quando o sentido ético se perdeu , que ocorre a violência, o abuso do poder e o pacto do silêncio. Quando os rituais não funcionam e os papéis dentro da familia se perderam. Quando já não há interdição para conter os conflitos dentro da familia.

A ameaça de perda da autoridade pelos pais, ou qualquer diminuição do poder legítimo dos pais são um convite à violência. O abuso do poder é prova documental da inexistência e da fragilidade da autoridade das figuras parentais e dos vínculos dentro da familia.

O pacto do silêncio é o recurso utilizado pelos agressores para manter a situação do abuso, favorecendo o espaço da violência.