Ausência: lembrança de uma presença.

Parece que foi ontem
Aqui…tão perto.
Você …eu.
Nós ainda havia.
Rindo muito.
Muito.

Sons flutuavam.
Imagens vibravam.
Lembranças .
Lembranças.

Está tudo tão bem.
Quase bem.
Até que suportável
Tragável.
Às vezes intragável

Quem sabe um vinho. CB

O tema do sacrifício é muito importante na psicologia Junguiana . Desde o sacrifício do ego no processo de individuação como o sacrifico ritual presente em nossas escolhas. Para escolhermos um caminho devemos sacrificar a possibilidade de outro. Isso acontece durante toda a nossa vida. Mas quando não ocorre o sacrifício no plano individual ou coletivo este é ritualizado de forma dissociada na eleição do outro como vítima. Essa dinâmica está presente nas posturas etnocêntricas , no preconceito, em todas as formas de xenofobia. Elege-se uma vítima onde é projetada a ameaça e o sacrifício dessa vítima promove uma pseudo atenuação do conflito que vai reaparecer em alguma outra forma de violência contra o outro. Essa é também a contribuição de Girard ao tema do sacrifício. Girard nos fala do sacrifício como espaço do mecanismo de vitimação que é para ele o motor da cultura humana. Sacrifício não significa  imolação. Existe uma dimensão simbólica no sacrifício. A passagem bíblica do sacrifício do filho de Abraão , Isaac , traz como símbolo o sentido mais profundo da conexão com o self. O self representado na figura transcendente  do divino. Abraão não precisa sacrificar concretamente Isaac.  Mas sim testemunhar a sua fé : a possibilidade de empenhar e doar o melhor de si mesmo.

Mesmo para um pensamento laico, para os que não acreditam na existência de um deus a idéia  de nos empenharmos  na    nossa      libertação da violência  inerente ao impulso de aquisição e de posse ,  e aceitarmos o  sacrifício do ego,  não suprimindo o desejo do homem mas o redirecionando, é  fundamental para a luta pela paz.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         

O Mal verdadeiro

08/06/2011

                                                                                                                                        Foto: Nícolas Brandão – músico e jornalista.

O mal verdadeiro, o único mal são as convenções e as ficções sociais, que se sobrepõem às realidades naturais. Fernando Pessoa.

Sofremos porque não aceitamos o que há de mais verdadeiro em nós mesmos.

O que há de mais secreto do que aquilo que já está exposto, que transpira nossa identidade?

Sofremos porque desejamos e depois sofremos porque nos impedimos de expressar o desejo.

Somos classificados no código das doenças Cid 10 por desejar demais.

Somos educados, domesticados para não desejar e quando esse desejo aflora nos sentimos inadequados, anti-sociais, doentes.

Reprimimos nossa sede de viver e adoecemos da falta de prazer.

Deprimimos.

Sonhamos em reformar a casa, mudar de profissão, fazer uma viagem , tirar um ano sabático, imaginamos mudar tudo. Pedimos a todos os santos que acalmem nossos anseios, nosso desejo de colorir um cotidiano que se tornou insosso .

 Mas eles voltam. Batem a nossa porta a cada noite, nos acordam de manhã, nos acompanham no silêncio.

Nossos desejos como realidades naturais são  aconchego para além de toda moral e tabus sociais. São fonte de nossa ânsia de viver, que não deve ser esgotada.