Freud e Jung e a teoria das neuroses.

30/10/2009

Em 1910 se dá o segundo Congresso Internacional de psicanálise em Nuremberg. Jung assume por indicação de Freud a presidência da Associação Internacional de Psicanálise.

Em 1911 houve o terceiro Congresso Internacional de Psicanálise em Weimar e Jung escreve a primeira parte de “Metamorfoses e Símbolos da Libido.”

Em 1912 profere nove conferências sobre a teoria psicanalítica na Fordham University (NY). Estas conferências foram compiladas e publicadas em 1913 no volume quatro das obras completas de Jung.  Nessa época enviou a Freud a segunda parte de “Metamorfoses e Símbolos da Libido”.

Estabeleceu então, intensa relação com Freud até 1913 quando começaram a discutir sobre suas divergências quanto ao conceito de libido.

Sobre a teoria da libido, o diálogo entre Freud e Jung resgatado na correspondência entre os dois psicanalistas, atesta a tensão gerada pela divergência.

Essa correspondência se divide entre um periodo inical de entusiasmo, e um periodo onde começam as dúvidas como na carta, cujo trecho relato a seguir.

Diz Jung:

“…. Gostaria de pedir-lhe um esclarecimento: O senhor considera a sexualidade a mãe de todos os sentimentos? A sexualidade não é para o senhor apenas um componente da personalidade (ainda que o mais importante) e, nesse caso, o complexo sexual não seria o mais importante e o mais frequente componente no quadro clínico da histeria? Não há sintomas histéricos que, embora codeterminados pelo complexo sexual, são condicionados predominantemente por uma sublimação ou por um complexo não sexual ( profissão, emprego, etc) ? Decerto em minha pouca experiência, vi apenas complexos sexuais e o direi explicitamente em Amsterdam. Cordiais saudações. Sinceramente, Jung.” Carta 39 J 19/8/1907

Responde Freud:

“…No tocante à sua pergunta , nem numa resma desse papel caberia resposta. Não que meu saber seja tanto: as possibilidades igualmente válidas é que são muitas. Não acredito por ora que alguém acerte ao dizer que a sexualidade é a mãe de todos os sentimentos. Sabemos como o poeta, de duas fontes instintuais. A sexualidade é uma delas. Um sentimento parece ser a percepção íntima de uma catexia instintual. Indubitàvelmente há sentimentos que brotam de uma combinação das duas fontes[……] É simplesmente como uma necessidade teórica que encaro ( por ora) o papel dos complexos sexuais na histeria; e não deduzo isso da frequência e intensidade dos mesmos . Acho que ainda não se pode ter provas. Não é conclusivo o fato de vermos pessoas vitimadas pelo trabalho, etc., pois o componente sexual no homem homossexual é facilmente demonstrável na análise. Sei que nalgum ponto encontramos o conflito entre catexia do ego e catexia objetal, mas observação direta clinica nem mesmo posso especular.

Estou tão desligado de tudo que nem sequer sei a data do Congresso de Amsterdam. Mas espero, antes disso, ter noticias suas. Ficarei aqui até 10 de setembro. Cordialmente Dr Freud. ” Carta 40 F 27/8/1907

Freud refere- se aqui aos chamados instintos de conservação, à fome , especificamente. Para Freud nessa época, haviam duas fontes instintuais: os instintos sexuais e os de conservação. Mais tarde irá rever sua teoria das pulsões no artigo de 1920 “Mais além do princípio do prazer .”

O poeta citado por Freud é Schiller:

“ Enquanto ninguém o mundo

Constrói em filosofia

A força que impera e manda

É um duplo de amor e fome.”

Em outra carta diz Jung:

…”Tentei assentar o simbólico numa base psicogenética, ou seja , mostrar que na fantasia individual o primum movens, o conflito individual- matéria ou forma como se prefira- é mítico ou mitològicamente típico. 175J 30/1/1910

Para Jung não há uma pulsão primordial na motivação humana.

Anúncios

3 Respostas to “Freud e Jung e a teoria das neuroses.”

  1. Patricia Studart Says:

    Adorei te encontrar aqui, no facebook e etcccc….
    è muito bom poder reestabelecer contato.Mudei p/ Campinas na primavera de 2009 e com isto outras transformações ocorrem,pois já se faziam nescessárias.Sempre olho uma Fenix que plantei no sitio p/ não ficar distante da transformação,adaptação que se faz presente a cada momento de mudança em nosso universo.Bjs
    Até breve

  2. celiabrandao Says:

    Oi querida. Volte sempre.Linda aimagem da fenix. Me encontre no twitter também . Sou psicobrandao lá. Beijo Grande. Saudades


  3. […] Freud e Jung e a teoria das neuroses. outubro, 2009 2 comentários 3 […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: