Incesto na Psicologia Junguiana

10/08/2009

O tema do incesto tem sido um dos mais assiduamente visitadossnow4 no blog.

Entre o mito e a cultura, a questão do incesto tem  sido discutida em várias áreas das ciências humanas, pelas artes cênicas e literatura, pela área jurídica e pela religião.

A palavra incesto quer dizer estar contido in (dentro )  (cesto) .

Viver a intimidade e emoções em situação protegida. Pode ser análogo a estar em uma situação  de endogamia, em sua origem antropológica.

Para Jung as fantasias incestuosas de uma criança tem a função de humanização  de suas emoções nas relacões com seus familiares.

Se por ventura se acompanham de conteúdos sexuais não devem ser literalizados.

Podem estar apenas assinalando uma busca de maior intimidade e fusão para que depois possa haver um outro nível de discriminação.

Se existe um tabu do incesto ele emerge com o próprio impulso incestuoso, de uma dimensão ética do indivíduo e um sentido de preservação das relações grupais e não da repressão advinda de uma moral externa.

A busca de um adolescente ou de uma criança na relação com um adulto pode ter diferentes motivações, como por exemplo, entre uma aluna e um professor, a de admiração e curiosidade intelectual.

Se a curiosidade  e o desejo sexual se acrescentam a essa admiração  grande parte das vezes é mais por parte do adulto e cabe a este o papel de estabelecer os limites.

A sexualização imediata pode ser mais do adulto,  resultante de uma projeção de suas fantasias na criança ou adolescente.

A possibilidade de trabalhar com os conteúdos de idealização e admiração sem cair nas armadilhas da sedução poderá resultar em desenvolvimento mútuo.

Um sentido de auto- preservação coloca o homem em conflito diante de situações que abalam o equilibrio e a coesão do  seu grupo.

Nossa tendência é negar e afastar da consciência o que nos causa conflito. O mecanismo de negação  e a alienação não resolve nossos problemas.

A questão do incesto é complexa e faz parte da natureza humana.

É muito importante considerar as diferenças presentes nas relações incestuosas mais ou menos abusivas, mais ou menos assimétricas, e para isso é necessário ver caso a caso.

Incesto não é sinonimo de abuso.

Mas, em geral as relações incestuosas , que se dão dentro da familia , são abusivas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: