Abuso e violência na Familia

11/08/2009

42-21572250 

Foi com muito pesar que li uma matéria publicada no Jornal Le Monde sobre o assassinato da menina Isabella, de 2008, atribuindo a violência doméstica no Brasil ao fato da tardia Abolição da Escravatura (1808) e aos modelos “adquiridos”de educação. Como se esse modelos de discriminição e desigualdade social tivessem sido gerados aqui no Brasil, quase como uma geração espontânea, como algo atávico, como nossa identidade. As crianças e as mulheres, assim como os negros e os países do terceiro mundo são há alguns séculos o que conhecemos como excluidos no que se refere à sua situação como  sujeitos de direitos e  Estado de direitos respectivamente.

O fato de se saber que no Brasil o genocídio assume índices preocupantes com autores dentro das familias e não só pela policia, nos faz responsáveis socialmente e como profissionais da área de psicologia para pensar essa questão.

Mas passa a ser uma arrogância da Velha Europa esse comentário no Le monde que nas semanas próximas ao crime de Isabella circulou pelo mundo noticia de uma outra familia de classe média austríaca em que o pai manteve em cativeiro a filha que também tomou como concubina e mãe de seus netos também cativos.

Enquanto continuarmos projetando nossa sombra no outro, enquanto temermos nossa humanidade, creio que será muito dificil lidar com a questão da violência que não escolhe raça, país, classe social, e que nos assola.

Pensamos de maneira equivocada sobre a violência como um epifenômeno do poder.

É quando o poder legítimo perdeu a sua força, quando o sentido ético se perdeu , que ocorre a violência, o abuso do poder e o pacto do silêncio. Quando os rituais não funcionam e os papéis dentro da familia se perderam. Quando já não há interdição para conter os conflitos dentro da familia.

A ameaça de perda da autoridade pelos pais, ou qualquer diminuição do poder legítimo dos pais são um convite à violência. O abuso do poder é prova documental da inexistência e da fragilidade da autoridade das figuras parentais e dos vínculos dentro da familia.

O pacto do silêncio é o recurso utilizado pelos agressores para manter a situação do abuso, favorecendo o espaço da violência.

About these ads

7 Respostas to “Abuso e violência na Familia”

  1. Angeli Says:

    Célia…muito bem colocado. A posição do le Monde mostra exatamente o preconceito que tem. Não enxergam o próprio quintal, onde se cometem atrocidades muito maiores…por isso são o velho mundo, a França especialmente…

  2. MatosSams Says:

    Olá, gostaria de te convidar para partipar de uma rede de troca de conteúdo, para mais detalhes me manda um email ok. Abraços. Matos

  3. celiabrandao Says:

    Marcos achei ótima idéia mas você não deixou o seu e-mail aqui para entrarmos em contato. Abraço, celia

  4. HELENITA COELHO Says:

    Querida Célia,
    Caríssima colega,
    Vc tem sido uma batalhadora , no sentido de levar às pessoas de toda a classe o que estamos passando, pelo mundo a fora.
    PARABÉNS por mais este trabalho de consientização do todo o povo brasileiro …
    Abraços fraternos,
    Dra. Helenita Coelho

  5. celiabrandao Says:

    Obrigada pelas boas palavras. Para mim o papel do psicólogo e analista é também na mudança social e não só acompanhar o processo de individuação de seus clientes.


  6. [...] Abuso e violência na Familia agosto, 2009 6 comentários 4 [...]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.034 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: